Vacina para rinite funciona? Veja a explicação

Estudo recente observou eficácia de 80% da vacina reduzir ou eliminar os sintomas da rinite

ARTIGO DE ESPECIALISTA - PUBLICADO EM 27/09/2018

Dra. Samanta Dall´Agnese
Otorrinolaringologia - CRM 137576/SP
especialista minha vida

Sim, a vacina para rinite, também chamada de imunoterapia, pode ser usada como tratamento para rinite, mas apenas para as pessoas que apresentam rinite do tipo alérgica.

PUBLICIDADE

No caso da rinite alérgica, a pessoa, na maioria das vezes, tem uma predisposição genética para a doença. Quando um dos pais apresenta rinite alérgica, a chance de transmissão para o filho é de 25%. Já quando são ambos pais, a chance aumenta para 50%.

Entretanto, ao longo da vida, o contato com certas substâncias (ditas alergênicas) pode também ser o gatilho para desencadear a doença. Todo quadro alérgico é na verdade uma resposta exagerada da defesa do organismo, na tentativa de combater substâncias que possam nos causar algum dano. Como mecanismo de defesa, o nariz desencadeia uma reação que causa obstrução das narinas, para impedir a entrada de microorganismos e substâncias nocivas.

Esse mecanismo exagerado acaba dificultando a própria respiração nasal e por isso é prejudicial porque o nariz desempenha uma função importante de filtrar partículas e umidificar o ar que vai ser direcionado aos pulmões. Com as narinas obstruídas, a pessoa passa a respirar pela boca, e o ar chega aos pulmões sem o preparo adequado.

Quando a vacina é indicada?

O teste alérgico determina quais são as substâncias positivas (alérgenos), e a vacina será direcionada a estas partículas. A concentração das partículas e a frequência de uso da vacina variam conforme o caso, mediante orientação médica. Em geral, a vacina é administrada por períodos longos para reduzir a sensibilidade da pessoa aos alérgenos.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Quando o tratamento habitual com medicações e a higiene do ambiente falham, está indicado associar a vacina. Não se pode falar em cura com uso da vacina, mas ela é eficaz em reduzir a dose e a frequência das medicamentos que a pessoa faz uso, podendo até mesmo ser suspensos por um período, mas o acompanhamento médico e os cuidados do ambiente devem ser mantidos para evitar novas crises.

A vacina é indicada pelo médico especialista e pode ser encontrada em vários laboratórios especializados. Existem dois tipos de administração da vacina, por meio de injeção subcutânea e por meio de gotas sublinguais.

A eficácia do tratamento com a vacina varia conforme o caso, e a literatura científica tem apontado resultados muito promissores. Um estudo recente observou eficácia de aproximadamente 80% de a vacina reduzir e mesmo eliminar os sintomas da rinite até 10 anos após o tratamento.

Vale ressaltar que cada caso deve ser avaliado individualmente, e como a vacina não tem ação na causa da doença, que é genética, a pessoa pode apresentar sintomas novamente no futuro. Por isso é bastante importante manter cuidados de higiene na casa, como evitar acúmulo de poeira e contato com cigarro e manter ambientes bem arejados.

Os efeitos colaterais da vacina podem ser locais (em especial no caso da vacina subcutânea) e pode-se dizer que o risco da aplicação da vacina é muito baixo por dois motivos. Um deles é que as reações alérgicas, que podem eventualmente ser graves, são muito raras atualmente. E o outro fator é de segurança do paciente. Pelo risco de reação, em especial nos casos de vacina subcutânea, o paciente deve ser avaliado antes da vacina e esta deve ser suspensa se estiver durante crise de rinite ou asma.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.