Febre em bebê: o que fazer quando ela aparece?

Aprenda a cuidar do bebê com segurança no conforto de casa

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 09/09/2019

Choro inconsolável, irritação e temperatura corporal elevada1. Estes costumam ser os primeiros sinais que acompanham o quadro febril no bebê. Em um primeiro momento, a ansiedade1 e a insegurança2 podem surgir entre pais e mães, é verdade; porém, a febre nem sempre é inimiga e pode ser aliviada1 de forma segura.

PUBLICIDADE

Antes de se preocupar, vale lembrar que nem todo aumento de temperatura indica febre. Para os serviços de emergência médica, por exemplo, só quando a temperatura atinge 37,8ºC3 é que começa a febre, de fato.

Nesse ponto, devem ser observados alguns sinais2 de alerta: aumento repentino da temperatura, vômitos, erupções cutâneas ou se o bebê tem dificuldade para ingerir líquidos.

Fazer essa observação é importante porque, no caso de infecções5 mais graves, quando a febre vem acompanhada por outros sintomas1, é preciso levar o bebê ao médico o quanto antes, principalmente se ele tiver até três meses de idade.

De forma geral, entre as causas mais comuns de febre em bebês e crianças, estão problemas de saúde como: gripe, resfriado, pneumonia, sinusite e doença mão-pé-boca6.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Como abaixar a febre do bebê

A dúvida de muitos pais pode ser resumida em uma única pergunta: o que fazer quando a febre aparece? Em casa, você pode tentar alguns recursos1, tomando cuidado apenas para evitar receitas caseiras.

Abaixo, esclarecemos como cuidar da febre do bebê de maneira segura:

Temperatura: a temperatura pode ser medida por um termômetro tradicional, que deve ser posicionado, preferencialmente, debaixo da axila5 do bebê.

Para medir corretamente, posicione o objeto sob a axila da criança, aguarde até cinco minutos5 e verifique o marcador. Lembrando que, nos pequenos, a temperatura que indica febre é a partir de 37,8ºC3.

Banhos: em caso positivo da febre, o cuidado com o bebê pode ser simples, como um banho. Ao contrário do que o senso comum diz, o banho não deve ser gelado1, uma vez que os calafrios e tremores1 só trarão mais desconforto para a criança.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Sendo assim, a temperatura da água deve estar morna7 e o banho pode durar de 10 a 20 minutos1. Se o banho não for uma opção prática para o momento, compressas de água7 também podem ser utilizadas na testa, panturrilha e pulsos7.

Agasalhos: assim como no caso da água gelada1, deixar o bebê sem roupas7 fará com que o corpo tente aquecê-lo, elevando a temperatura. E vale lembrar que agasalhar em excesso2 também não ajuda. Recomenda-se, então, uma quantidade suficiente de peças para que a criança fique confortável ou em temperatura ambiente.

Hidratação: a febre pode estimular a perda de líquido do corpo, portanto, é importante reforçar a hidratação1 com água e chás naturais. Além disso, a recusa por líquidos pode ser um indicativo de um problema de saúde mais grave2 no bebê.

Álcool: o álcool7 , por meio de compressas, é constantemente relacionado ao tratamento da febre, mas a substância não é indicada, já que pode ser absorvido pela pele ou inalado e ter efeito tóxico no bebê.

Antitérmicos: Os antitérmicos1, como a dipirona, podem ser utilizados para abaixar a febre, mas devem ser indicados pelo pediatra.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Lembre-se: a febre não é uma doença, mas um sintoma8 de algo não vai bem. Por isso, mais do que diminuir a febre, é fundamental investigar a real causa do aumento da temperatura corporal e o tratamento adequado para cada caso.

Referências:

1 - Murahovschi, Jayme. A criança com febre no consultório. J Pediatr (Rio J) 2003;79(Supl1):S55-64. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000700007. Acesso em: julho de 2019.

2 - Revista Médica de Minas Gerais. Como os pais lidam com a febre infantil: influência das crenças, conhecimento e fontes informação no cuidado e manejo da febre na criança - revisão sistemática da literatura. 2014; 24(2): 180-185. Disponível em: rmmg.org/artigo/detalhes/1598.

3 - Revista Latino-Americana de Enfermagem. Assessment and risk classification protocol for patients in emergency units. Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.22 no.2 Ribeirão Preto Mar./Apr. 2014. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692014000200218&lng=en&nrm=iso.

4 - PINTO, Luciano Abreu de Miranda. A febre no lactante. Revista de pediatria - SOPERJ - Número atual: 13(2) - Dezembro 2012. Disponível em: http://revistadepediatriasoperj.org.br/detalhe_artigo.asp?id=620.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

5 - Mayo Clinic. Fever. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/fever/symptoms-causes/syc-20352759.

6 - Center for Disease Control and Prevention. Hand, Foot and Mouth Disease. Disponível em: https://www.cdc.gov/hand-foot-mouth/about/signs-symptoms.html. Acesso em julho de 2019.

7 - Manual MSD. Febre em bebês e crianças. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/problemas-de-sa%C3%BAde-infantil/sintomas-em-beb%C3%AAs-e-crian%C3%A7as/febre-em-beb%C3%AAs-e-crian%C3%A7as.

8 - Healthy Children. Fever and your baby. Disponível em: https://www.healthychildren.org/English/health-issues/conditions/fever/Pages/Fever-and-Your-Baby.aspx.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.