Falta de ar: especialistas indicam o que fazer para aliviar

A falta de ar pode ocorrer por diversas razões, exigindo atenção e cuidados especiais

POR PAULA SANTOS - PUBLICADO EM 15/05/2020

A falta de ar, também chamada de dispneia, pode ocorrer em pessoas de diferentes idades e por diversos motivos. A intensidade do quadro varia de acordo com a causa, que pode ainda vir acompanhada de outros sintomas, como aumento da frequência cardíaca, tosse e náuseas.

PUBLICIDADE

Alguns fatores que podem causar a falta de ar, de acordo com a médica intensivista e pneumologista Alice Gallo de Moraes, são:

De acordo com o médico pneumologista Julio Rodrigues, a frequência respiratória considerada normal em adultos é de 13 a 18 respirações por minuto. Se esse número chegar aos 25, mesmo com a pessoa em repouso, é um indício de que a respiração está num nível anormal.

Como melhorar a falta de ar

No geral, cada quadro precisa ser examinado com atenção para que se entenda o que iniciou a falta de ar, evitando o surgimento de complicações mais graves. Logo, um diagnóstico médico é a melhor forma de se encontrar o tratamento ideal para cada caso.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Porém, há algumas orientações que podem ser seguidas ao apresentar esse sintoma. De acordo com o médico cardiologista Roberto Andrés Gomez Douglas, membro titular da Sociedade Brasileira de Cardiologia, alguns fatores devem ser levados em consideração:

  • Falta de ar severa: se a dificuldade para respirar for intensa, é necessário buscar ajuda médica imediatamente
  • Observar os sintomas: em casos mais leves, é preciso analisar se a falta de ar é um quadro isolado ou se ela está acompanhada de outros sintomas. Se a dispneia ocorrer em conjunto com febre, tosse e dor no corpo, por exemplo, pode se tratar de um quadro gripal, o que não exige intervenção médica imediata. Nesse caso, o sintoma pode ser aliviado em casa através de inalação e repouso
  • Complicações respiratórias já existentes: de acordo com o especialista, algumas estações do ano podem agravar as crises de falta de ar em pessoas que já possuem diagnóstico de doenças respiratórias, como asma e bronquite. Portanto, as orientações para a crise de dispneia devem ser seguidas normalmente, através da inalação ou bombinha.

Falta de ar por ansiedade

Quando a falta de ar está relacionada a quadros psíquicos, como estresse e ansiedade, o primeiro passo é tentar se acalmar. Apesar de parecer uma tarefa difícil num momento de crise, manter a calma é uma das opções mais eficientes para aliviar o quadro. Além disso, a pneumologista Alice Moraes indica respirações profundas e sair de situações ansiogênicas durante a crise.

Falta de ar por coronavírus

Para identificar se a falta de ar é consequência do novo coronavírus, é preciso checar outros sintomas que podem acompanhar o quadro. Antes de procurar um hospital, é imprescindível o uso precoce de máscaras, para que a transmissão para outras pessoas seja evitada.

Nos casos mais graves da doença, o uso de oxigênio e respiradores é uma das alternativas utilizadas pelos médicos para tratar a dificuldade de respirar. Já os quadros leves devem ser controlados preferencialmente em casa com repouso, medicamentos que aliviem os outros sintomas e isolamento.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Veja também

Falta de ar (dispneia): o que pode ser, tipos e o que fazer

Além do coronavírus: falta de ar sinaliza 7 doenças

Falta de ar recorrente pode indicar graves problemas de saúde

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.