Box informativo Sinusite

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 11/11/2008

1- O que é sinusite? O que caracteriza a doença?
Sinusite é uma inflamação da mucosa dos seios da face, região do crânio formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos. A doença pode ser secundária a uma infecção ou a um quadro alérgico. O termo usado para definir a doença, atualmente, é rinossinusite. Isso porque dificilmente uma sinusite (inflamação nos seis da face) acontece sem a presença de uma rinite (inflamação da cavidade nasal).

2- Quais são os sintomas?
O paciente com sinusite apresentará um ou mais dos seguintes sintomas: cefaléia (dor de cabeça), facialgia (dor na face), sensação de cabeça pesada ou oca, coriza ou secreção nasal, obstrução nasal, tosse, mal estar e astenia (sensação de moleza). Em certos casos, a febre pode estar presente.

3- Quais são as causas da doença?
A sinusite tanto pode ser causada por agentes infecciosos, como bactérias, fungos e vírus, quanto por fatores alérgicos. Poeira, choque térmico e cheiros ativos são listados como desencadeadores da rinopatia alérgica. Gripes e resfriados mal tratados, exposição a determinados agentes químicos e alterações na anatomia nasal ou dos seios da face fazem parte do outro grupo de responsáveis pela sinusite. Há ainda, casos mais raros que levam à sinusite, como a presença de um tumor.

4- Existem diferentes tipos de sinusite?
Sim, a sinusite aguda e a crônica. A sinusite aguda é um quadro isolado, muitas vezes, associado a dor e mal estar geral. Normalmente, o paciente não apresentava tal quadro anteriormente a uma gripe ou um resfriado, considerados como fatores desencadeantes. Nos quadros crônicos, o fator desencadeante é constante, como a rinite alérgica, por exemplo. Isso acarreta em uma inflamação crônica da mucosa nasal.

5- Existe uma idade em que as pessoas ficam mais vulneráveis à sinusite?
Ela pode acometer pessoas de qualquer idade. Porém, crianças entre quatro e cinco anos apresentam maior incidência de infecções do trato respiratório alto. Quando a infecção é muito agressiva e não tratada da forma correta, pode levar à sinusite. Além disso, quadros de sinusite podem estar associados à sazonalidade. No inverno, há uma maior tendência de ocorrerem infecções do trato respiratório alto e, por conseqüência, a sinusite.

6- Existem doenças relacionadas à sinusite? Ou seja, a sinusite pode ser oriunda de outro problema de saúde?
Sim. A sinusite pode ser conseqüência de doenças alérgicas, em especial, a rinite, e alterações anatômicas, como desvio de septo nasal. Pacientes com rinite produzem mais secreção mucóide, que é fonte de alimento para as bactérias. Já os fatores anatômicos podem aumentar as chances de infecção porque inibem a drenagem do muco que é naturalmente produzido pelos seios da face.

7- E o contrário também pode acontecer? Ou seja, a sinusite ser causadora de outras doenças? Quais?
Sim, o contrário também é possível. Nos casos de sinusite infecciosa, a população de bactérias aumenta e, assim, pode piorar um quadro de asma, por exemplo, ou aumentar as chances de infecção nos ossos da face. Pode ainda, predispor um quadro de pneumonia. Como complicações mais severas, é possível citar abscesso cerebral e afecções do globo ocular.

8- Como é feito o diagnóstico?
O diagnóstico, na maioria das vezes, é clínico. Ou seja, baseado nas queixas do paciente e em sua história clínica. Além disso, o exame físico segmentar otorrinolaringológico simples ou a videonasofibroscopia também podem ser solicitados ao paciente. Este último é um exame simples, feito no próprio consultório médico e sem necessidade de sedação. Alguns casos exigem uma avaliação complementar, com exame radiológico, que pode ser um raio-X simples ou uma tomografia computadorizada.

9- Como é o tratamento da sinusite?
Se a sinusite for infecciosa, o tratamento é feito com uso de antibióticos associado a medicamentos descongestionantes e analgésicos. Quando o quadro é alérgico, o tratamento é feito com uso de anti-histamínicos e, eventualmente, uso de corticóides tópicos de uso nasal. O tratamento deve ainda ser aliado à medidas de higiene ambiental, como quarto limpo e seco, limpeza da casa, troca da roupa de cama freqüente, etc.

10- Como é o procedimento cirúrgico para tratar a sinusite? Quando ele é recomendado?
O procedimento cirúrgico visa basicamente restabelecer a via natural de drenagem dos seios, já que este normalmente é o fator envolvido na origem da sinusite. A cirurgia costuma ser recomendada quando o paciente apresenta sinusites de repetição ou em casos de difícil controle da doença. O método também pode ser utilizado em sinusites associadas à complicações. Hoje em dia, o tratamento cirúrgico é simples, feito com auxílio de videoendoscópios. Eles transformam o procedimento em um método rápido, pouco agressivo e, na maioria dos casos, indolor no pós-operatório. Este conjunto de vantagens ainda traz a diminuição do tempo de internação. Vale lembrar, no entanto, que somente um otorrinolaringologista pode definir a necessidade de cirurgia.

11- Existe cura ou, depois de ter sinusite uma vez, o paciente precisa sempre seguir um tratamento para manutenção da saúde?
Primeiramente, é importante ressaltar que a confusão entre rinite alérgica e sinusite é bastante comum. Porém, os males são distintos. Enquanto a sinusite tem cura clínica ou cirúrgica, a rinite de etiologia alérgica pode acometer o pacientes por diversas vezes. Por se tratar de uma patologia heredo-familiar, a rinite alérgica não apresenta cura. Com o tratamento adequado, no entanto, os sintomas da rinite podem ser controlados. O que acontece é que, dependendo da causa da sinusite, o quadro pode ser mais extenso. O paciente que tem uma sinusite durante um quadro gripal, por exemplo, pode nunca mais apresentá-la, depois do tratamento. Mas, existem também quadros mais persistentes de sinusite, como aquelas causadas por quadros alérgicos ou desvio de septo nasal.

12- Quais as conseqüências de uma sinusite mal tratada?
Quando não tratada devidamente, infecções podem entrar em cena repetidas vezes. Além disso, há a possibilidade das complicações da sinusite aparecerem. Entre elas, abscesso cerebral, osteíte (destruição óssea) e afecções do globo ocular.

13- Há métodos preventivos contra a doença? Quais?
Manter suas possíveis causas sob controle é a melhor forma de ficar longe da sinusite. Nas causas alérgicas, o tratamento profilático da alergia está associado ao controle da sinusite.

14- Quais hábitos devem ser evitados por quem sofre de sinusite?
Os cuidados variam conforme a causa da doença. No entanto, em linhas gerais, o tabagismo piora todas as condições da mucosa naso sinusal e, por isso, deve ser evitado. Nos casos alérgicos, os pacientes devem, além de seguir o tratamento, evitar substâncias que pioram a alergia.

15- E quais hábitos são recomendados na luta contra a sinusite?
Como em todas as doenças, a recomendação de hábitos saudáveis é sempre importante. Dentre eles, estão alimentação balanceada e ingestão de, em média, dois litros de água por dia. Mais uma medida aconselhada para lutar contra a sinusite é evitar o contato com agentes causadores, como poeira, choque térmico e cheiros ativos. Ter atenção aos sintomas e buscar tratamento logo no início da doença são mais maneiras de driblar as complicações da sinusite.

Fontes: Clarice Saba, otorrinolaringologista da equipe do Itaigara Memorial Hospital Dia e presidente da Sociedade Baiana de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Pescoço da Bahia

Paulo Dórea, otorrinolaringologista Cirurgião do Itaigara Memorial Hospital Dia e Otorrinolaringologista do Núcleo de Otorrinolaringologia da Bahia
Arthur Castilho, otorrinolaringologista do Hospital Bandeirantes

PUBLICIDADE
Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.