Aposte nos truques que te deixam longe da sinusite

Lavagem nasal diária e hidratação adequada fazem parte da lista de medidas preventivas

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 11/11/2008

Mesmo não apresentando os fatores de risco da sinusite, como rinite alérgica e desvio de septo nasal, por exemplo, você pode estar suscetível à doença. O mal se caracteriza por acometer qualquer pessoa, independentemente da faixa etária e condições de saúde. Algumas medidas, no entanto, são capazes de manter o problema bem longe de você.

"A lavagem nasal diária é uma arma poderosa para evitar a instalação do quadro sinusal", ensina Paulo Dórea, otorrinolaringologista cirurgião do Itaigara Memorial Hospital Dia e do Núcleo de Otorrinolaringologista da Bahia. Como a sinusite geralmente é proveniente de gripes, resfriados e processos alérgicos prolongados, a lavagem visa a melhora da obstrução nasal e o restabelecimento da drenagem naso-sinusal. "O método não tem efeitos colaterais e pode ser feito por longos períodos", garante o especialista.

Na prática, a lavagem nasal pode ser feita a partir de diversos métodos: via conta-gotas ou via seringa, por exemplo. "Hoje em dia, os novos produtos com este fim apresentam frascos com distribuição de soro fisiológico em forma de jatos de spray. Os frascos facilitam muito a aplicação, o transporte e a conservação do produto", orienta o otorrino do Itaigara.

Mais uma medida eficaz apontada por Paulo é manter-se hidratado, bebendo, pelo menos, dois litros de água por dia. Ele explica que a mucosa nasal e dos seios paranasais apresentam pequenos cílios que atuam na purificação, aquecimento e umidificação do ar inspirado. "Em narizes ressecados e em pessoas desidratadas esta função ciliar pode ser alterada, interferindo na fisiologia nasal e predispondo a rinossinusites", completa.

Além disso, o otorrinolaringologista do Itaigara ressalta que pacientes alérgicos devem evitar ambientes com temperaturas extremas e clima seco. Ele reforça que o controle ambiental e clínico da rinite alérgica é fundamental para diminuir as chances de sofrer com a sinusite. "Quem apresenta rinite alérgica sem controle adequado sofre um risco maior de ter um quadro de sinusite, pois os óstios de drenagem, responsáveis pela comunicação dos seios da face com a fossa nasal, ficam menos acessíveis. Isso acontece por causa do edema da mucosa nasal e presença de secreção nasal inerentes à rinite".

Mais um alerta do otorrino é que, todas as pessoas podem ter um episódio de sinusite na vida, no entanto, aquelas que tiverem mais de um, devem redobrar a atenção. Paulo afirma que é importante passar por uma avaliação otorrinolaringológica, a fim de descartar fatores predisponentes, que favorecem a recorrência do mal. Dentre tais fatores, ele lista alterações anatômicas, hipertrofia de amídalas, adenóide, imunodepressão, fatores alérgicos, doenças genéticas e alterações dentárias.

Na lista de hábitos que precisam ser evitados pelos pacientes com predisposição à sinusite, Paulo também cita o tabagismo e o uso de substâncias que irritam a mucosa nasal, como perfumes fortes.

Ainda de acordo com Paulo Dórea, a vacina contra gripe pode beneficiar alguns grupos de pacientes na luta contra a sinusite. "Idosos e crianças que ficam em creches, por exemplo, fazem parte do grupo de risco da sinusite secundária a gripes e resfriados", esclarece.

PUBLICIDADE
Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.