Infestação de piolhos deve ser tratada como doença

Estudo revela que pediculose pode afetar aprendizado das crianças na escola

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 21/10/2009

Uma coceirinha aqui, outra ali, mais uma e outra ainda. Quando a coceira na cabeça começa a irritar as crianças, são grandes as chances de ser um caso de pediculose, a chamada infestação por piolhos. Porém, além da sensação incômoda, os piolhos podem afetar o aprendizado das crianças. É o que diz um estudo recente feito por Newton Madeira, professor do Departamento de Parasitologia do Instituto de Biociências da Unesp. Além das coceiras, a criança sofre discriminação na escola, o que abala a sua autoestima e afeta o rendimento nos estudos. "Nos países desenvolvidos, a comunidade dermatológica discute sobre a classificação da pediculose como doença, porque eles realmente se preocupam com o impacto na qualidade de vida do jovem infectado", afirma o biólogo.

A pesquisa avaliou moradores de cem residências do Parque Marajoara, bairro de Botucatu (SP). As famílias, escolhidas aleatoriamente na região próxima ao posto de saúde, possuíam crianças menores de 8 anos. Os resultados mostraram que quanto maior o número de moradores na residência e menor os níveis de escolaridade dos pais, maior a infestação dos piolhos. Enquanto o índice de infestação foi de 29% nas crianças que ainda não estavam na escola e de 83,5% naquelas que já frequentavam as aulas.

Tratamento
Segundo o professor, os piolhicidas não são os mais aconselhados no combate aos piolhos, pois eles criam resistência no piolho, fazendo com que próximas infestações sejam mais difíceis de conter. Já o clássico método de raspar a cabeça pode deixar a criança traumatizada, sendo o pente fino de plástico o melhor aliado no combate aos piolhos. "Métodos caseiros não têm eficácia comprovada e podem ser perigosos, provocando alergias e irritações", completa.

PUBLICIDADE
Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.