Dormir mal pode aumentar o risco de ter Alzheimer, diz estudo

Problemas de sono interagem com alguns processos comuns dessa doença

POR REDAÇÃO - ATUALIZADO EM 05/10/2016

Dormir não tem contraindicações, muito pelo contrário: melhora a disposição, a saúde do coração, entre muitos outros problemas. E agora, os cientistas podem incluir nessa lista a redução das chances de ter Alzheimer, graças a um estudo apresentado na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer, conduzido na Universidade da Califórnia, em Berkeley (Estados Unidos).

PUBLICIDADE

Para chegar a estas conclusões os especialistas fizeram um PET-CT no cérebro de 26 pacientes com mais de 70 anos (exame de imagem que mostra o funcionamento dos tecidos), medindo a formação de proteínas beta-amiloides no cérebro. Depois, foram dadas palavras para que eles memorizassem até o dia seguinte e suas ondas cerebrais durante o sono foram medidas naquela noite.

Ao cruzar os dados, os cientistas perceberam que os pacientes com maior quantidade de proteínas beta-amiloides no cérebro foram os que dormiram menos e também memorizaram menos palavras.

Para os pesquisadores, este é um ciclo vicioso, já que os problemas para dormir interagem com alguns processos causados pelo Alzheimer no cérebro. No entanto, tratar problemas do sono, como a apneia do sono, pode ser uma forma de tratar e prevenir o Alzheimer.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.