COVID-19: vacina testada em humanos tem resultados positivos

Primeira vacina contra o novo coronavírus mostrou efeitos promissores e agora avança para novos testes com mais participantes

POR REDAÇÃO - PUBLICADO EM 19/05/2020

A primeira vacina contra o novo coronavírus testada em humanos se mostrou capaz de estimular uma resposta imunológica no organismo, segundo a farmacêutica norte-americana Moderna. A empresa é uma das primeiras no mundo a realizar experimentos com um imunizante que pode proteger a população da COVID-19.

PUBLICIDADE

Oito participantes saudáveis receberam, em março deste ano, duas doses da vacina. Estas pessoas produziram anticorpos que foram testados em células humanas, em laboratório, e que conseguiram impedir a multiplicação do vírus. Segundo a empresa, as únicas reações adversas que os participantes tiveram foi vermelhidão e dor muscular no local da injeção.

Os cientistas que lideram a pesquisa concluíram que os participantes produziram níveis de anticorpos neutralizantes iguais aos pacientes recuperadas de COVID-19. Dessa forma, a vacina aprontou resultados promissores, ainda que preliminares - o que deixou muita gente otimista quanto ao futuro da luta contra o coronavírus.

A Moderna declarou que analisou três doses da vacina: baixa, média e alta. Porém, como a dose baixa demonstrou resultado positivo, a dose alta será descartada nos próximos testes. O intuito é fazer uma vacina segura e eficiente com a menor dose possível, pois quanto menor a dose, mais vacinas podem ser produzidas, de acordo com o representante.

A empresa também afirmou que fez testes preliminares em camundongos, em que a vacina conseguiu impedir a replicação do vírus nos pulmões. Em análise, os animais apresentaram níveis de anticorpos neutralizantes semelhantes aos pacientes que receberam a vacina.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Próximos passos

A segunda fase do teste será feito em breve, segundo a fabricante, e envolverá 600 pessoas. A Food and Drug Administration (FDA), órgão norte-americano similar à Anvisa no Brasil, autorizou o seguimento dos testes. Já a terceira fase, que ocorrerá em julho, contará com milhares de participantes.

Tal Zaks, diretor médico da Moderna, afirma que, se os testes forem bem sucedidos, a vacina poderá ficar pronta para distribuição até o final do ano ou início de 2021. Ainda não é possível afirmar o número de doses que conseguirão produzir no primeiro momento, mas Zaks disse que estão "fazendo o máximo para chegar logo ao maior número possível de doses".

Vale reforçar que a COVID-19 ainda não possui um tratamento definitivo. São diversas empresas nos Estados Unidos, China e Europa que estão produzindo diferentes tipos de vacinas para ajudar no combate ao vírus. Além disso, através de uma colaboração internacional, países estão testando distintos tratamentos com fármacos contra a doença.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.