Anônimo e mais 1 pessoa perguntaram:

estou tomando amitripitilina e o diazepam o medico diz que eu sou paciente bipolar mas nunca fiz mal a niguem so tenho ansiedade e medo ?

  • Respondido em 12/11/2014
    Olá,

    Engana-se se você crê que o Bipolar deve fazer mal a alguém para ter esta classificação. Seu médico deve avaliar vários outros fatores para dar um dignóstico correto.
    A ansiedade e o medo fazem parte da bipolaridade, já que algumas pessoas podem ter a parte depressiva em maior evidência que a maníaca, ou vice e versa.

    Para que voê entenda melhor, é chamado de transtorno bipolar por causa alternância entre dois polos, o de depressão e o de manía.

    O transtorno bipolar é caracterizado pelas mudanças de humor que duram pelo menos uma semana, podendo durar meses. Em casos mais graves, poderão ter ciclos de instabilidade durante muito mais tempo. Porém existem casos de ciclagem mais rápida.


    O paciente com bipolaridade pode chegar ao extremo da depressão ao tentar suicídio e, no outro extremo, a euforia de tentar escrever um livro num só dia, dançar até a exaustão, caminhar pelas ruas durante a noite toda, etc. Os estados de mania e depressão, se não controlados por medicamentos, podem levar a surtos psicóticos, exigindo a intervenção psiquiátrica com antipsicóticos.


    Durante os episódios de manía, pode apresentar 3 ou mais dos seguintes sintomas por pelo menos uma semana:

    * Auto-estima elevada: Sentimento de grandiosidade e intenso bem estar consigo mesmo; acredita sinceramente ter sempre razão; não admite ser corrigido e sente enorme dificuldade para se desculpar;

    * Necessidade de sono diminuída: Sente-se pronto para o trabalho depois de apenas poucas horas de sono, mesmo interrompido;

    * Verborragia: Fala frequentemente de modo agressivo e sem paciência para ouvir;
    
* Fuga de ideias: Esquecimento e pensamentos acelerados, resultando em dificuldade de se expressar de forma linear;
*Distratibilidade: Atenção constantemente desviada para estímulos externos, resultando em muitos trabalhos concomitantes e incompletos;

    * Inquietude: Gerando aumento no número de atividades feitas tanto no trabalho como na escola;

    * Impulsividade: Falta de auto-controle,

    * Impaciência, ansiedade e Irritabilidade

.

    A perturbação do humor deve ser suficientemente severa para causar prejuízo acentuado no trabalho/estudos, nas atividades sociais ou relacionamentos costumeiros com outros, ou para exigir a hospitalização, como um meio de evitar danos a si mesmo e a outros, ou existem aspectos psicóticos.


    Durante os episódios de Depressão

 os Antidepressivos são quase sempre ineficazes caso não incluam também psicoterapia, especialmente quando envolvem alcoolismo, tabagismo ou uso de drogas ilícitas.
    
A fase depressiva do bipolar é caracterizada por 5 ou mais sintomas por duas semanas ou mais, incluindo estado deprimido ou anedonia:

* Estado deprimido: sentir-se deprimido a maior parte do tempo; 

    * adenomia: interesse diminuído ou perda de prazer para realizar as atividades de rotina;
    
* Sensação de inutilidade;

    * Culpa excessiva;

    * Dificuldade de concentração: habilidade frequentemente diminuída para pensar e concentrar-se;
    
* Fadiga: cansaço excessivo, falta de energia;

    * Distúrbios do sono: insônia ou hipersônia praticamente diárias;

    * Distúrbio psicomotor: Agitação ou lentidão cognitiva e motora;

    * Distúrbio alimentar: Perda ou ganho significativo de peso, na ausência de regime alimentar;

    * Ideação suicida: Ideias recorrentes de morte ou suicídio.



    Uma pessoa que sofre de Transtorno Bipolar, deve ser encaminhada para tratamento psiquiátrico e psicológico, para que o conjunto das medicações e as terapias, a pessoa possa voltar a ter seu quadro um pouco mais equilibrado.



    Por isso, é importante continuar com sua medicação e se não estiver em acompanhamento psicológico, procure assim que possível, pois será fundamental para que você possa ter uma vida mais equilibrada e feliz.

    PUBLICIDADE
  • Respondido em 14/01/2015
    Dirk Belau Psicologia e Psicanálise - CRP 06/117170/SP
    Olá,

    entendo a sua pergunta como uma dúvida de si o diagnóstico do médico é correto no seu caso e se os produtos químicos que ele lhe prescreve servem para você viver melhor, tendo medo e ansiedade? Se você é bipolar ou não, me parece, tem pouca importância, pois você se atrapalha com a ansiedade. Você concorda que tem fases maniacas, ou seja fases de autoestima e autoconfiança exagerada? Por exemplo fazendo compras desnecessárias, gastando a toa, fazendo promessas que não pode cumprir, contando histórias para se auto-elogiar, querendo relações íntimas com várias pessoas o algo deste tipo? Mesmo se você fez mal a ninguém, este seria um quadro bipolar. A sua família o aceita ou acha que você está fazendo mal a eles sim? A mania é só uma maneira da mente compensar a tristeza e a ansiedade. Estas sempre são mais importantes, porquê atrapalham mais, conquanto a mania não é exagerada. A questão do que os produtos químicos fazem, é importante também- Pela sua pergunta parece que eles não resolvem a sua ansiedade. Isto, você precisa discutir com o psiquiatra. Independentemente disso, é importante saber que os químicos não remediam a ansiedade mas só aliviam a sua manifestação. Ansiedade vem da infância e fica profundamente enraizada na estrutura mental da pessoa, enquanto químicos só mudam o comportamento da pessoa e aliviam a dor emocional enquanto eles estão sendo tomados. Também existe o perigo da pessoa ficar dependente deles, pois ela pode precisar dese alívio, tendo perdido com o tempo a capacidade de se autorregular. Trabalhar as raízes da ansiedade numa psicoterapia é recomendado para abrir mão dos químicos.

    PUBLICIDADE
  • Respondido em 26/10/2017
    Dra Mônica P. Mussolino Psicanálise - CREFITO 89989-F/SP
    Olá,

    Bom dia! Primeiramente estes medicamentos não são eficazes no tratamento da bipolaridade, converse com o seu médico, o paciente com TAB comumente não é agressivo, ocorre uma acentuada alteração do humor se não tratado!

    DrªMônica P. Mussolino
    Psicanalista