Herpes labial: sintomas, tratamentos e causas

REVISADO POR
Dra. Erika Ferrari Rafael da Silva
Infectologia - CRM 97919/SP
especialista minha vida

Visão Geral

O que é Herpes labial?

Sinônimos: bolhas na boca, herpes simples, herpes na boca

Herpes labial é uma infecção viral e contagiosa causada pelo vírus da herpes simples. É caracterizada pelo surgimento de bolhas pequenas e doloridas agrupadas no formato de cacho de uva nos lábios superiores e inferiores, gengivas, língua, céu da boca, interior das bochechas, nariz e, às vezes, no rosto, queixo e pescoço.

PUBLICIDADE

Nestes locais predomina-se a herpes simplex do tipo 1 (HSV-1), que pode também causar sintomas como aumento do tamanho dos gânglios linfáticos (ínguas), febre e dores musculares.

Existe também outro tipo de vírus do herpes chamado de herpes simplex do tipo 2 (HSV-2) que é transmitido por via sexual. Ele provoca coceira e o aparecimento de bolhas ou mesmo úlceras na região genital.

A infecção cruzada dos vírus HSV-1 e HSV-2 pode acontecer se houver contato oral-genital (pode-se pegar herpes genital na boca ou herpes oral na área genital).

Herpes labial normalmente é percebida por bolhas doloridas - Foto: Shutterstock
Herpes labial normalmente é percebida por bolhas doloridas - Foto: Shutterstock

Estágios da infecção

O período de incubação do herpes labial varia entre 2 a 26 dias. As lesões aparecem 4 a 6 dias após o contato, entretanto, a maioria das pessoas (80%) não desenvolve sintomas após a contaminação pelo vírus do herpes.

Depois da primeira infecção (primária), o vírus do herpes permanece dormente (latente) no corpo e pode ser periodicamente reativado e causar sintomas. .

As três fases da doença são:

- Infecção primária: produz uma erupção de bolhas pequenas e dolorosas e pode estar acompanhada de febre.

- Latência: depois que a erupção de bolhas diminui, o vírus permanece em estado dormente (latente) em um gânglio da raiz dorsal localizado na medula espinhal e nesse estágio não há sintomas.

- Recorrência: periodicamente o vírus pode ser reativado e causar um novo episódio de bolhas. Essa reativação pode ocorrer muitas vezes.

A reativação (reincidências) de uma infecção por HSV latente oral ou genital pode ser desencadeada por febre, menstruação, tensão emocional, supressão do sistema imunológico, trauma físico ou a superexposição à luz solar.

Em algumas situações não se identifica o fator desencadeador do herpes.

Tipos

A herpes labial pode ter duas causas:

Vírus da herpes simples tipo 1 (HSV-1)

Normalmente associado a infecções dos lábios, da boca e da face. Esse é o vírus mais comum de herpes simples e muitas pessoas têm o primeiro contato com este vírus na infância.

O HSV1 frequentemente causa feridas (lesões) nos lábios e no interior da boca, como aftas, ou infecção do olho (principalmente na conjuntiva e na córnea) e também pode levar a uma infecção no revestimento do cérebro (meningoencefalite).

Pode ser transmitido por meio de contato com a saliva infectada. A maioria das pessoas contrai herpes oral quando são crianças, recebendo um beijo de um amigo ou parente.

Vírus da herpes simples 2 (HSV-2)

Normalmente transmitido sexualmente, o HSV-2 provoca coceira e bolhas ou mesmo úlceras e feridas genitais.

Entretanto, algumas pessoas com HSV-2 não apresentam quaisquer sinais (latência).

A infecção cruzada dos vírus de herpes do tipo 1 e 2 pode acontecer se houver contato oral-genital. Isto é, pode-se pegar herpes genital na boca ou herpes oral na área genital.

Causas

A herpes labial é causada pelo vírus do herpes simples do tipo 1 (HSV-1) na maioria dos casos, mas o vírus do herpes simples tipo 2 (HSV-2) que é o principal causador do herpes genital, também pode provocar herpes labial.

A infecção inicial pode não causar sintomas ou surgimento de bolhas na boca, porém a característica principal do vírus é permanecer em estado latente no tecido nervoso do rosto por tempo variado.

Um beijo na boca pode transmitir doenças? - SAIBA MAIS
1 de 3

A maior parte da população apresenta anticorpos contra o vírus e dificilmente apresentam sintomas clínicos. Em algumas pessoas, o vírus volta à ativa e produz feridas recorrentes que aparecem geralmente no mesmo local.

Fatores de risco

Os fatores que podem aumentar o risco do herpes labial aparecer incluem:

  • Contato íntimo e compartilhamento de objetos com uma pessoa que tenha herpes labial
  • Doenças que afetam o sistema imunológico tais como HIV/AIDS e câncer
  • Sexo sem proteção
  • Exposição ao Sol
  • Menstruação
  • Estresse
  • Outras infecções

Por que a herpes labial ocorre mais no verão?

A exposição solar pode levar a uma baixa na imunidade que facilita a reativação do vírus. O uso do protetor labial pode ajudar a prevenir, mas não serve como garantia que novas lesões não aparecerão.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Sintomas

Sintomas de Herpes labial

Os sintomas de herpes labial pode ser divido em três estágios:

  • Coceira: muitas pessoas sentem uma sensação de coceira, ardor ou formigamento ao redor de seus lábios antes do aparecimento das bolhas.
  • Bolhas: pequenas bolhas cheias de líquido geralmente surgem ao redor dos lábios, nariz ou bochechas.
  • Cicatrização: as bolhas se rompem e formam crostas que iniciam o processo de cicatrização.

Uma erupção geralmente envolve:

Quando bolhas rompem e formam crostas, a herpes labial já está na última fase - Foto: Shutterstock
Quando bolhas rompem e formam crostas, a herpes labial já está na última fase - Foto: Shutterstock
  • Lesões na pele, lábios, boca e gengiva
  • Bolhas doloridas que se rompem e liberam fluido
  • Várias bolhas pequenas que se unem para formar uma bolha maior
  • Crostas amarelas que se soltam e mostram uma pele rosa em cicatrização

Buscando ajuda médica

Marque uma consulta com seu médico se você apresentar:

  • Sintomas de herpes labial
  • Feridas perto dos olhos
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico e Exames

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar são:

  • Clínico geral
  • Infectologista
  • Dermatologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram.
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade.
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Você sentiu uma dor antes que a ferida se tornasse visível?
  • Os seus sintomas incluem irritação ocular?
  • Você notou se algo em particular parece desencadear seus sintomas?
  • Você já foi tratado por feridas no passado? Em caso afirmativo, qual o tratamento mais efetivo?
  • Você experimentou recentemente um estresse significativo ou mudanças importantes na vida?
  • Seu trabalho ou vida familiar o trazem ao contato com crianças ou com pessoas com maior doença?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar.

Para herpes labial, algumas perguntas básicas incluem:

  • Qual tratamento você recomenda?
  • Quais são as etapas de autocuidado que posso seguir para aliviar os sintomas?
  • Eu sou contagioso? Por quanto tempo?
  • Como faço para reduzir o risco de espalhar esta condição para outros?
  • Em quanto tempo você espera que meus sintomas melhorem?
  • Estou em risco de complicações dessa condição?
  • Posso fazer qualquer coisa para ajudar a prevenir uma recorrência?

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Herpes labial

Na maioria das vezes, os médicos conseguem detectar uma infecção pelo vírus do herpes simplesmente por meio do exame clínico, dando especial atenção às feridas.

No caso de dúvidas alguns exames podem ser solicitados para auxiliar no diagnóstico como a sorologia e o exame de PCR (detecção DNA do vírus), obtidos através de exame de sangue.

Exames

Os principais exames incluem:

  • Exames de sangue para anticorpos de HSV (sorologia)
  • Teste de anticorpo fluorescente direto das células extraídas de uma lesão
  • Cultura viral da lesão
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Herpes labial

Se não exigirem tratamento, os sintomas geralmente desaparecem entre uma e duas semanas.

Medicamentos antivirais tomados por via oral podem ajudar os sintomas a desaparecerem mais rapidamente e aliviar a dor.

As feridas de herpes costumam reaparecer. Os medicamentos antivirais funcionam melhor se forem tomados quando o vírus estiver começando a voltar, ou seja, antes do aparecimento das feridas.

Se o vírus voltar com frequência, o médico poderá recomendar ainda que você tome os medicamentos constantemente.

Pomadas antivirais tópicas podem ser usadas, mas devem ser aplicadas a cada duas hora. Elas são caras e podem reduzir o tempo da erupção entre algumas horas a até um dia, em casos leves de herpes.

Faça compressas com loções antissépticas não agressivas se necessário, tendo o cuidado de não retirar as crostas pois pode haver sangramento e retardar a cicatrização.

Especialista explica: herpes labial tem cura?

Medicamentos para Herpes labial

Os medicamentos mais usados para o tratamento de herpes labial são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique.

Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Convivendo (prognóstico)

Herpes labial tem cura?

Não há cura para a infecção causada pelo vírus do herpes pois já que o vírus fica no estado de latência ele pode reativar a qualquer momento.

Herpes labial pode causar cegueira caso o vírus atinja a mucosa ocular e não seja tratado - Foto: Shutterstock
Herpes labial pode causar cegueira caso o vírus atinja a mucosa ocular e não seja tratado - Foto: Shutterstock

Complicações possíveis

Se não for tratada, o herpes labial pode levar a problemas como:

  • Recorrência do herpes labial (vários episódios durante o ano)
  • Disseminação do herpes para outras áreas do corpo como os olhos
  • Infecções bacterianas secundárias na pele
  • Infecção generalizada (sepse), mais comum em indivíduos com algum tipo de doença de pele ou imunossupressão como portadores de câncer ou do vírus HIV
  • Cegueira caso o vírus atinja a mucosa ocular e não seja tratado

Convivendo/ Prognóstico

Faça compressas com loções antissépticas não agressivas se necessário, tendo o cuidado de não retirar as crostas pois pode haver sangramento e retardar a cicatrização.

As dicas para evitar futuras erupções incluem aplicar filtro solar ou protetor labial com óxido de zinco quando estiver em áreas abertas.

Um hidratante labial para evitar que os lábios fiquem muito secos também pode ser útil.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Prevenção

Prevenção

Como a infecção pelo vírus do herpes é contagiosa, as pessoas com infecção dos lábios devem evitar beijar assim que sentirem o primeiro formigamento (se nenhum formigamento for sentido quando aparecer uma bolha) até que a ulceração esteja totalmente cicatrizada.

Elas não devem compartilhar copos e, se possível, não devem tocar nos lábios e evitar sexo oral.

As pessoas com herpes genital devem usar sempre preservativos, mesmo sem bolhas visíveis e sem sintomas pois o vírus pode estar presente nos órgãos genitais e contagiar os parceiros sexuais.

Evite fazer sexo oral quando estiver com lesões de herpes na boca ou perto da boca e evite receber sexo oral de alguém que tenha lesões de herpes genital ou oral.

Os preservativos podem ajudar a reduzir, mas não eliminar totalmente, o risco de contaminação pelo vírus herpes no sexo genital ou oral com uma pessoa infectada.

Cuidado para não retirar as crostas das lesões pois pode haver sangramento e retardar a cicatrização. Evitar exposição prolongada ao sol e sem o uso de protetor solar.

Protetor labial também pode ser útil para manter os lábios hidratados e evitar rachaduras.

Especialista explica: como prevenir as crises de herpes labial?

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Fontes e referências

  • Ana Célia Xavier, dermatologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo
  • Mayo Clinic
  • American Sexual Helth Association (ASHA)
  • Ministério da Saúde
  • Sociedade Brasileira de Dermatologia
  • Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis, Ministério da Saúde, 2016
  • Sociedade Brasileira de Infectologia
  • Manual MSD