Rosácea: sintomas, tratamentos e causas

REVISADO POR
Dra. Clivia Carneiro
Dermatologia - CRM 5288/PA
especialista minha vida

Visão Geral

O que é Rosácea?

Rosácea é uma doença inflamatória crônica da pele, que tem como manifestação mais comum a vermelhidão na face, chamada também de eritema facial. Ela pode acometer qualquer pessoa, mas é mais frequente em mulheres acima dos 30 anos com fototipo baixo, isto é, pele branca e olhos claros. Além da pele, a doença pode acometer os olhos.

PUBLICIDADE

O quadro decorre de um processo inflamatório associado a uma alteração vascular, tem uma nítida predisposição familiar, mas a causa da doença permanece desconhecida.

A doença pode piorar ao longo do tempo, levando a mudanças permanentes na aparência e afetando a autoestima. Não há cura conhecida para a rosácea, mas ela é tratável, com excelente controle.

Tipos

Existem cinco subtipos de rosácea, que variam conforme ela se manifesta:

  • Eritemato telangectasia
  • Rosácea pápula pustulosa
  • Rosácea fimatosa
  • Rosácea ocular
  • Granulomatosa.

Mas os subtipos podem se misturar. Pode ocorrer, por exemplo, a combinação do fimatosa com o tipo pápula pustulosa e também com a forma mais comum, a eritemato telangiectásica. Também é muito frequente a associação de rosácea do tipo fulminante com a ocular.

Eritemato telangectasia

A pele adquire um tom avermelhado, rosado e diminutos vasos (telangectasias) se tornam evidentes, principalmente na região centro facial, próximo as asas nasais. O avermelhamento pode ser agravado por vários fatores, entre eles: o álcool, sol, estresse, exercícios físicos e calor. Quem possui a rosácea pode ter a sensação de estar com a pele pinicando ou queimando. Neste caso, a pele é mais sensível e não se pode utilizar creme abrasivos ou ácidos.

Rosácea pápula pustulosa

Nesse tipo de rosácea, soma-se ao tom avermelhada o aparecimento de lesões pápulo-pustulosas em surtos, como se fossem espinhas. Nesse tipo, a rosácea lembra a acne - tanto que por muito tempo foi chamada de acne rosácea. O tipo pápula pustular é mais comum em homens, com períodos de piora e melhora alternados.

Rosácea fimatosa

Esse é o tipo menos frequente de rosácea. Seria um estagio final da doença. A pele, torna-se espessada, endurecida e avermelhada, com poros dilatados. A rosácea fimatosa é caracterizada pelo aumento e infiltração de áreas como as glândulas sebáceas do nariz e é comum em homens com mais de 50- 60 anos. Com o tempo, o nariz pode até dobrar de tamanho. O mento ( queixo) também pode ser comprometido.

Rosácea ocular

Como o nome diz, a rosácea ocular atinge a região dos olhos. Cerca de 20% dos casos são descobertos em visita a um oftalmologista. O indicativo da doença é uma inflamação (chamada de blefarite) com avermelhamento e descamação na área dos cílios. Este tipo é o mais grave, pode evoluir para a perda da visão.

Granulomatosa

Existe outro subtipo mais raro da rosácea, chamado granulomatosa. Sua característica principal é o aparecimento de pequenos nódulos acastanhados na face. Cerca de 15% dos pacientes com a doença podem ter lesões em outros locais. Seu diagnostico é difícil e requer um alto grau de suspeição por parte do dermatologista. Seu tratamento também é um desafio.

Causas

Apesar da sua causa ainda não ter sido desvendada, podendo ser multifatorial sabemos, no entanto que existem determinados gatilhos, determinados fatores desencadeantes da doença que são aqueles que provocam a vasodilatação, a dilatação dos nossos vasos sanguíneos, como por exemplo:

  • Alimentos quentes ou bebidas
  • Alimentos picantes
  • Álcool
  • Temperaturas extremas
  • Exposição ao sol
  • Estresse, raiva ou vergonha
  • Exercício extenuante
  • Banhos quentes ou saunas
  • Algumas medicações drogas vasodilatadoras ou angiogênicas e outros.

É sabido também que a infecção por um ácaro que faz parte da biota normal da pele chamado de Demodex foliculorum contribui para a piora da doença.

Fatores de risco

Os seguintes grupos estão em maior risco de desenvolver rosácea:

  • Pessoas entre 30 e 50 anos de idade
  • Pessoas de pele clara, com cabelos loiros e olhos azuis
  • Descendentes de celtas ou escandinavos
  • História familiar de rosácea
  • Histórico de acne grave no passado
  • Mulheres (no entanto, os homens também podem desenvolver rosácea e tendem a ter sintomas mais graves).
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Sintomas

Sintomas de Rosácea

As queixas mais frequentes descritas pelos pacientes são:

  • Vermelhidão facial. Pequenos vasos sanguíneos no nariz e bochechas muitas vezes incham e tornamse visíveis
  • Protuberâncias no rosto que se assemelham a acne
  • Secura ocular e pálpebras avermelhadas, com irritação e inchaço
  • Nariz alargado. Raramente, a rosácea pode engrossar a pele do nariz, fazendo com que ele adquira um aspecto grosseiro.

A manifestação dos sintomas se dá em diversos níveis. O sinal mais típico é a vermelhidão persistente nas partes centrais do rosto e um dado interessante é que ele poupa a região ao redor dos olhos. Também é comum que pequenos vasos sanguíneos no nariz e nas bochechas se tornem mais visíveis, o que chamamos de telangectasias.

Em casos mais avançados, podem surgir lesões inflamadas como pápulas e pústulas semelhantes a acne, além de edema, inchaço na face e por vezes acometimento também do pescoço, orelhas e até o tórax superior. Nos casos mais graves, a rosácea pode engrossar a pele do nariz, causando a impressão de que ele está maior e mais volumoso, chamado de rinofima, esse sintoma é mais comum em homens.

Além disso, a rosácea pode também acometer os olhos, a variedade rosácea ocular onde os pacientes apresentam olhos ressecados ou irritados.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Diagnóstico e Exames

Buscando ajuda médica

Se você experimenta vermelhidão persistente do rosto, marque uma consulta médica para obter diagnóstico e tratamento adequado.

Rosácea é uma doença que possui excelentes e eficazes métodos de controle e requer uma boa investigação, necessitando ser diagnosticada, tratada e acompanhada por um dermatologista especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, pois ele é o profissional habilitado para cuidar da sua pele, cabelos e unhas.

Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar e acompanhar a rosácea são:

  • Dermatologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Quando os sintomas começaram?
  • Qual a intensidade dos sintomas?
  • Os sintomas são frequentes ou ocasionais?
  • Existem fatores que parecem melhorar os sintomas?
  • Existem fatores que parecem desencadear ou piorar os sintomas?

Também é importante levar suas dúvidas para a consulta por escrito, começando pela mais importante. Isso garante que você conseguirá respostas para todas as perguntas relevantes antes da consulta acabar. Para rosácea, algumas perguntas básicas incluem:

  • O que pode estar causando os sinais e sintomas?
  • Preciso de exames para confirmar o diagnóstico?
  • Qual é o melhor tratamento?
  • É esta condição temporária ou crônica?
  • Existe uma alternativa genérica para o medicamento que você está prescrevendo?
  • Posso esperar para ver se a condição resolve por conta própria?
  • Quais são as alternativas para a abordagem que você está sugerindo?
  • Que cuidados com a pele você recomendaria?.

Não hesite em fazer outras perguntas, caso elas ocorram no momento da consulta.

Diagnóstico de Rosácea

O médico ou médica poderá diagnosticar rosácea apenas com um exame físico da sua pele. Não há nenhum exame específico para diagnosticar rosácea. Se você foi a um(a) clínico geral, ele ou ela poderá encaminhar você para um dermatologista.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Tratamento e Cuidados

Tratamento de Rosácea

Apesar da rosácea ser uma doença crônica, que não tem cura, inúmeros tratamentos podem ser usamos para amenizar os sintomas dos pacientes. Em todos os casos é recomendado a mudança de hábitos, evitando os fatores desencadeantes descritos acima. Deve também ser recomendado usar sabonetes suaves, hidratantes e como sabemos que o sol piora os sintomas da rosácea, é imprescindível o uso de filtro solar.

O tratamento do tipo mais comum é feito com produtos tópicos, como metronidazol 0,75%, ácido azelaico 0,75%, peróxido de benzoila e retinoides tópicos. O objetivo principal do tratamento é diminuir a inflamação do paciente, usando as substâncias citadas cerca de 1 a 2 vezes por dia.

Uma alternativa é a utilização de oximetozolina e da brimonidina. Ambos diminuem e controlam o flushing (vermelhidão). É bom lembrar que eles não curam a rosácea, mas diminuem o avermelhamento. Os inibidores da calcineurina também melhoram a inflamação.

Para a rosácea pápula pustulosa, ocular e fimatosa, é necessário utilizar o antibiótico do grupo das ciclinas: a tetraciclina e a minociclina. Eles são utilizados até o controle clínico da doença e, com o tempo, a dose do remédio será reduzida aos poucos. Já a isotretinoína pode ser utilizada nos quatro tipos de rosácea. O tratamento dura em torno de 3 a 6 meses. Em todas essas situações, pode haver associação dos medicamentos com laser.

A correção cirúrgica da rosácea é indicada nos casos de fimatosa. E para tratar a rosácea ocular, muitas vezes é necessária abordagem específica, como o uso de colírios locais (com antibióticos) e também imunossupressores, como a ciclosporina.

Os lasers são utilizados na rosácea em duas indicações, quando o alvo é vascular, para diminuir o eritema e/ou telangectasias e no tratamento do rinofima, aquela lesão que aumenta o volume do nariz, que por sua vez pode ser tratado também pela criocirugia, eletrocauterização e dermoabrasão.

A luz do laser atinge os vasos, promove sua destruição e clareia a região. Os tipos de laser mais utilizados são o Pulsed Dye Laser e NdYag.

Medicamentos para Rosácea

Os medicamentos mais usados para o tratamento de rosácea são:

Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Convivendo (prognóstico)

Convivendo/ Prognóstico

Evite os fatores que pioram a doença

O primeiro passo para tratar a rosácea é evitar os fatores que dilatam os vasinhos do rosto e provocam vermelhidão. Há casos em que a prevenção e o uso de protetor solar já são suficientes para controlar a doença, sem necessidade de medicamentos.

Ambientes abafados e quentes, exposição solar sem proteção, peeling, estresse e nervosismo são alguns fatores que aumentam a possibilidade de uma crise. Como a pele com rosácea também é muito mais sensível a produtos cosméticos, é importante ter cuidado com o uso de substâncias que contêm ácidos e álcool.

Cuidados com a alimentação

Excesso de álcool, pimenta, comida condimentada, café e outros alimentos quentes podem piorar a rosácea. Hipertensão e doenças gastrointestinais também são fatores relacionados a surtos desse problema. Por isso, evitar alimentos que agravam essas doenças é uma boa medida de prevenção, opções ricas em sódio ou muito ácidas e temperadas devem ficar fora da sua dieta.

Dermoabrasão e cirurgia

Nos graus mais graves de rosácea, pode ser necessário fazer dermoabrasão ou cirurgia, chamada subcisao, para recuperar a aparência inicial da pele. Quando os vasos ficam muito dilatados e nutrem demais as glândulas da pele, a doença pode evoluir para quadros mais permanentes e deformar, sobretudo, o nariz - manifestação chamada de rinofima.

A cirurgia é feita para remodelar essas áreas alteradas do rosto, enquanto a dermoabrasão consiste no lixamento para esfoliar a pele e retirar a camada mais superficial. Após essa esfoliação, ocorrerá uma cicatrização e regeneração da pele, que ficará livre das deformidades causadas pela rosácea.

A luz pulsada é uma excelente alternativa para graus iniciais e moderados de rosácea. O laser de Co 2 fracionado é utilizado no tratamento dos fimas.

Cuidados complementares em casa

Além de evitar os fatores agravantes e seguir o tratamento indicado pelo dermatologista, adotar hábitos simples ajuda a combater a sensibilidade da pele. Recomendo o uso de protetor solar, sabonete com enxofre e pH fisiológico, além de borrifamento com água termal.

Quem gosta de maquiagem para disfarçar a vermelhidão do rosto deve preferir produtos hipoalergênicos, corretivo e base em tom verde, que neutraliza a cor vermelha da rosácea. É melhor do que usar uma camada muito grossa de base, que pode irritar ainda mais a pele.

Complicações possíveis

Nos casos mais graves e raros, as glândulas de óleo (glândulas sebáceas) do nariz e bochechas se ampliam, resultando em um acúmulo de tecido em torno do seu nariz - uma condição chamada rinofima. Esta complicação é mais comum nos homens e desenvolve-se lentamente ao longo de um período de anos.

Associação com doenças sistêmicas

Recentemente, uma associação entre rosácea e inúmeras doenças crônicas sistêmicas têm sido descrita. Muitos estudos têm demostrados que pacientes com rosácea tem significativa maior probabilidade de desenvolver hipertensão, doença metabólica, doença cardiovascular, doenças neurológicas como enxaqueca e depressão dentre outros.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Prevenção

Prevenção

Não é possível prevenir a rosácea, apenas controlar a doença com tratamento adequados e medidas de estilo de vida.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Fontes e referências

  • Revisado por: Cristina Paula Salaro, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatolgista (CRM 9631/DF)
  • Denise Steiner, dermatologista e Presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia Biênio 2013-2014 (CRM - 36505/SP)
  • American Academy of Dermatology