Lesão do ligamento cruzado anterior: sintomas e tratamento

Lesão no joelho é muito comum no esporte. Veja como acontece a recuperação desse problema

ARTIGO DE ESPECIALISTA

Dr. Rodrigo Junqueira Nicolau
Ortopedia e Traumatologia - CRM 109368/SP
especialista minha vida

Quando o joelho sofre um movimento maior que o suportado - como uma torção ou traumas - o ligamento cruzado anterior (LCA) pode ser lesionado. Esse ligamento é um dos que estão localizados dentro do joelho, prendendo o osso da coxa (fêmur) ao osso da perna (tíbia), sendo responsável por estabilizar esta articulação.

PUBLICIDADE

Este tipo de lesão é comum em esportes como futebol, basquetebol, tênis, vôlei, esqui e outros que necessitem paradas bruscas e mudanças rápidas de direção. Quando a pessoa para bruscamente, a mudança de movimento com o pé firmemente apoiado no solo força uma rotação ou uma hiperextensão no joelho. Aterrissar de mau jeito após um salto também pode favorecer esses problemas. As mulheres apresentam um risco um pouco maior de sofrer a lesão do ligamento cruzado anterior do que os homens, quando ambos participam do mesmo tipo de esporte.

Entretanto, é importante ressaltar que não só atletas podem ser afetados com uma lesão no LCA. Alguns movimentos da vida diária também causar lesão, causando desde leves estiramentos até sua ruptura completa.


Se não for tratado, o ligamento perde a capacidade de estabilizar os movimentos que o joelho realiza, e os ossos podem sofrer mais contato entre eles. Esses movimentos anormais podem levar a lesão da cartilagem e nos meniscos - órgãos amortecedores que ficam dentro do joelho. Todos estes fatores associados podem levar a osteoartrose do joelho.

De olho no problema

No momento que a lesão ocorre, ela pode apresentar os seguintes sinais e sintomas:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
  • Ouvir um estalo alto no joelho
  • Dor intensa e aguda com incapacidade para continuar a atividade
  • Edema no joelho, que piora após algumas horas do episódio
  • Uma sensação de instabilidade ou "falseio" no joelho.
A cirurgia geralmente está indicada em pacientes que apresentam lesões do LCA em combinação com outras lesões

É importante que haja um equilíbrio da força dos músculos da frente da coxa (quadríceps) e os músculos de trás, chamados de isquiotibiais. Eles têm a função de evitar que a perna se desloque muito para frente em relação à coxa. Logo, se há um desequilíbrio entre esses músculos, aumenta a chance da ocorrência da lesão do LCA. Somado à pratica esportiva, o desequilíbrio muscular pode ser um fator de risco.

Procurando o médico

Se você suspeita que sofreu uma lesão no LCA, o primeiro passo é marcar uma consulta com um clínico geral ou ortopedista, para que ele faça uma avaliação. É importante o médico saber:

  • Quando a lesão ocorreu
  • O que você estava fazendo no momento
  • Se você ouviu um estalo no joelho
  • Se ocorreu um edema importante.

Após a fase aguda, depois que os sintomas mais intensos foram tratados, o médico deverá saber:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
  • Se os seus sintomas são constantes ou ocasionais
  • Se existem determinados movimentos que você tem mais ou menos dor
  • Se o seu joelhou já travou ou ficou mais travado para realizar algum movimento
  • Se você tem sentido seu joelho instável e falhando durante alguns movimentos.

Frequentemente pode-se fazer o diagnóstico baseado na historia e no exame físico, mas o médico pode pedir uma radiografia ou ressonância magnética para avaliar melhor a lesão e a possibilidade de outras estruturas também terem sido afetadas.

Tratamentos

Lesão do LCA geralmente tem ligação com a prática de esportes - Foto: Getty Images
Lesão do LCA geralmente tem ligação com a prática de esportes

Na fase aguda, o objetivo do tratamento é aliviar a dor e o edema e tentar restabelecer os movimentos do joelho, para então passar a fortalecer os músculos responsáveis em estabilizar o joelho. Há casos raros em que o individuo consegue realizar atividades com a lesão sem os sintomas de instabilidade - mas tudo depende da gravidade da lesão ocorrida no joelho e a demanda que o individuo faz do órgão.

O prognóstico de lesões parciais é bom - quando tratado de maneira conservadora, com a reabilitação adequada, em torno de três meses o quadro é estabilizado. Entretanto, existem algumas pessoas que desenvolvem sintomas de instabilidade mesmo com lesões parciais. Este acompanhamento deve ser feito pelo médico e fisioterapeutas.

A ruptura completa do LCA já não apresenta um prognóstico tão bom para o tratamento conservador. Muitos pacientes ficam praticamente incapazes de realizar atividades que exigem mudanças súbitas de postura e movimento, e mesmo alguns podem apresentar instabilidade até para atividades comuns do dia-a-dia, como o andar.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

A cirurgia geralmente está indicada em pacientes que apresentam lesões do LCA em combinação com outras lesões, como rupturas do menisco (50%), lesões de cartilagem (30%), e ligamentos colaterais (30%). Isso porque o ligamento pode não cicatrizar sozinho - e a cirurgia consiste em refazer o ligamento utilizando enxerto de outros ligamentos do nosso corpo. Isto permite que se retorne a prática dos esportes e das atividades de vida diária que se fazia previamente a lesão do LCA.

Alguns pacientes podem ser maiores candidatos quando considerado o tratamento conservador:

  • Lesões parciais e sem sintomas de instabilidade do joelho
  • Lesões completas sem os sinais de instabilidade no joelho em esportes que demandem menos desta articulação
  • Aqueles que tendem a realizar atividades leves e são mais sedentários
  • Jovens que apresentam a cartilagem de crescimento ainda presente e terão um possível crescimento.

Atletas que querem retornar as suas atividades, geralmente são submetidos a cirurgia e reabilitação intensa. Sedentários que não apresentam lesões de cartilagens ou em outros ligamentos e estruturas podem ser tratados com a estabilização sem a cirurgia. Dependerá de cada caso.

Reabilitação

No início, pode-se restringir a carga sobre o joelho afetado, com uso de muletas e estabilizador do joelho. Exercícios leves tentando manter a amplitude do movimento devem ser realizados. Com melhora inicia-se o processo de estabilização e fortalecimento da musculatura da coxa e perna. Se for optado pelo tratamento conservador, o paciente deve escolher esportes que não venham a exigir mudanças súbitas de posição ou saltos. Outros cuidados:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
  • Repouso: Na fase aguda. Pode-se utilizar muletas para evitar carga total sobre o joelho afetado
  • Gelo: A cada duas horas aplique gelo no joelho por aproximadamente 20 minutos. Sempre você deve estar acordado, para evitar lesões na pele
  • Proteção: Na fase aguda pode-se utilizar joelhoeiras que restringem o movimento e podem dar uma sensação de alivio das dores
  • Elevação: Manter o membro inferior elevado é importante para evitar edema.

Lembre-se sempre que prevenir é a melhor opção. Por isso, melhore o condicionamento físico com exercícios que envolvam o fortalecimento da musculatura estabilizadora do joelho como atividades aeróbicas e treinos de salto. Todo o corpo deve estar firme e a musculatura fortalecida. Mas deve-se dar uma ênfase maior a musculatura da coxa, incluindo os posteriores (isquiotibiais) e anteriores (quadríceps). Além disso, procurar aprimorar os movimentos do esporte que se faz é muito importante para evitar lesões.

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.