Ultrassom: o que é, para que serve e como é feito

Ultrassom é um exame que contribui ao diagnóstico de diversas doenças e acompanhamento da gestação

O que é o ultrassom?

O exame de ultrassom é um método de diagnóstico por imagem que detecta doenças e/ou variações anatômicas com base na forma, tamanho e textura das estruturas (órgãos) avaliadas; e também serve de acompanhamento da saúde do bebê e da mãe durante a gestação.

PUBLICIDADE

Ao contrário da maioria dos exames de diagnóstico por imagem (assim como o raio X, a tomografia computadorizada e a ressonância magnética), a ultrassonografia é uma técnica que não emprega radiação ionizante para a formação da imagem.

Na ultrassonografia são emitidas ondas de som em alta frequência (inaudíveis) que fazem os tecidos vibrarem, e essa vibração dos tecidos é captada pelo aparelho instantaneamente para a formação das imagens.

Além disso, a ultrassonografia é muito eficaz para o diagnóstico de doenças de tecidos moles que não aparecem de forma adequada em radiografias.

Também pode distinguir cistos cheios de líquido e tumores sólidos, porque eles produzem diferentes padrões de eco.


Foto: Zoriana Zaitseva/Shutterstock
Foto: Zoriana Zaitseva/Shutterstock

Outros nomes: Ultrassonografia

Tipos de ultrassom

Existem diversos tipos de exames de ultrassom, como de mamas, fetal, abdominal, pélvico, e dentro destes tipos existem ainda subtipos, cada um com diferentes objetivos. Confira alguns tipos de ultrassom.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Ultrassom abdominal

O ultrassom abdominal tem como intuito observar as estruturas dentro do abdômen. É um método de triagem muito utilizado para identificar um aneurisma na aorta abdominal. Entretanto, pode ser usado para identificar outros problemas de saúde.

O exame possibilita ver muitos órgãos no abdômen e é completamente seguro, não apresentando qualquer risco. O médico pode indicar o ultrassom abdominal se você tiver algum problema em uma destas partes do corpo:

O ultrassom abdominal pode identificar:

  • Vasos sanguíneos no abdômen
  • Vesícula biliar
  • Intestinos
  • Rins
  • Fígado
  • Pâncreas
  • Baço.

Preparo do ultrassom abdominal

Para fazer o exame e obter resultados assertivos, é preciso seguir alguns passos para o preparo, como evitar comer e beber de 8 a 12 horas antes - já que alimentos no estômago e no trato intestinal podem atrapalhar o especialista em conseguir imagens claras.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Pergunte ao médico se você pode beber água durante o período de jejum e se você pode continuar tomando algum remédio de uso contínuo.

Ultrassom Transvaginal

O exame de Ultrassonografia Transvaginal (USG TV) é um complemento do exame de Ultrassonografia Pélvica, feito com sonda para observar a vagina e o útero. O exame serve para diagnosticar doenças na região pélvica, como:

No início da gravidez, este exame é fundamental para verificar a implantação do embrião no útero, além de estimar o tempo e o desenvolvimento da gestação.

Ultrassom Obstétrico

O ultrassom obstétrico, também conhecido como ultrassom fetal, é um exame que usa ondas de som para produzir a imagem do feto no útero. Além disso, também serve para diagnosticar problemas na gestação e outras doenças.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Há dois tipos de ultrassom obstétrico: a ultrassonografia transvaginal e a ultrassonografia abdominal. Neles, é possível também aplicar diferentes métodos de ultrassom, como imagem em 3D, 2D e ultrassom Doppler.

A ultrassonografia fetal serve para:

  • Confirmar a gravidez
  • Verificar a localização da gravidez
  • Determinar a idade do feto
  • Confirmar o número de bebês
  • Avaliar o crescimento do bebê
  • Estudar a placenta e os níveis dos fluídos amnióticos
  • Diagnosticar doenças de gestação
  • Fazer outros exames de pré-natal
  • Verificar a posição do bebê antes do parto

Ultrassom morfológico: Existe ainda um tipo de ultrassom obstétrico chamado de ultrassom morfológico, que é mais específico e serve para analisar a formação do bebê no útero.

O ideal é que sejam feitos, no mínimo, quatro ultrassons obstétricos (ou fetais) ao longo da gravidez, sendo:

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)
  • Ultrassom obstétrico de 1º trimestre: Serve para confirmar a gravidez, verificar a quantidade de embriões e o tempo de gestação. É sempre realizado por via transvaginal
  • Ultrassom obstétrico morfológico de 1º trimestre: Ainda no primeiro trimestre de gravidez, é feito o ultrassom morfológico, que serve para verificar se o bebê possui alguma síndrome genética e é realizado também por via transvaginal
  • Ultrassom obstétrico morfológico de 2º semestre: Realizado no 2º trimestre, esse ultrassom serve para descobrir o sexo do bebê e analisar a formação do feto. Este exame é realizado por via pélvica/abdominal
  • Ultrassom obstétrico de 3º trimestre: Já o ultrassom feito no terceiro semestre tem como objetivo observar a quantidade de líquido amniótico e o estado da placenta, além do crescimento e peso do bebê. Este exame é realizado por via pélvica/abdominal.

Ultrassom Doppler

O ultrassom Doppler é um exame não-invasivo que pode ser usado para estimar o fluxo de sangue através dos vasos sangüíneos. Trata-se de ondas de alta frequência (ultrassom) aplicadas nas células vermelhas circulantes.

Um ultrassom regular também utiliza ondas de som para produzir imagens, porém, não reproduz o fluxo sanguíneo. Já o Doppler possui um dispositivo usado nos transdutores para detectar o deslocamento de fluídos.

Um ultrassom Doppler pode diagnosticar muitas doenças e condições, tais como:

  • Coágulos de sangue
  • Válvulas com mau funcionamento nas veias das pernas, o que pode causar a acumulação de sangue ou outros fluídos nas pernas (insuficiência venosa)
  • Defeitos da válvula cardíaca
  • Doença cardíaca congênita
  • Artéria bloqueada (oclusão arterial)
  • Diminuição da circulação sanguínea nas pernas (doença arterial periférica)
  • Artérias protuberantes (aneurismas)
  • Estreitamento de uma artéria, como no pescoço (estenose da artéria carótida).
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

O exame consegue estimar qual a velocidade e frequência do fluxo sanguíneo, e também pode ajudar o médico a verificar se há lesões nas artérias ou monitorar certos tratamentos nas veias e artérias.

Além disso, serve como alternativa a procedimentos mais invasivos como a angiografia, em que é necessário injetar corante nas veias sanguíneas para que elas apareçam claramente nas imagens de raio X.

Ultrassom de mamas

O ultrassom de mamas é um exame feito para diagnosticar alterações mamárias. O exame ajuda a identificar lesões, como aquelas que podem ser palpadas, mas que não são visualizadas em mamografias ou em mulheres de tecido mamário denso.

Também ajuda a distinguir nódulos dos cistos (lesões com conteúdo líquido), uma vez que ambos aparecem como nódulos na mamografia. Portanto, o exame é indicado nos seguintes casos:

  • Pacientes jovens (abaixo dos 40 anos) com queixa de alteração palpável
  • Pacientes com alterações na mamografia que necessitam de avaliação complementar
  • Pacientes com tecido mamário denso na mamografia, com o intuito de aumentar a sensibilidade na detecção de câncer de mama
  • Pacientes com histórico familiar de câncer de mama
  • Pacientes que necessitam uma avaliação para implantes de silicone
  • Pacientes que não podem ser expostas a exames com radiação ionizante, como gestantes.
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Ultrassom da Tireoide

O exame utiliza ondas de som de alta frequência para produzir imagens da glândula tireóide. O ultrassom ajuda a diagnosticar doenças e anomalias no órgão e nas estruturas adjacentes a ele. O exame é indolor e seguro, pois não faz uso de radiação.

A tireoide está localizada no pescoço, acima das clavículas. Ela é responsável por produzir e enviar hormônios para a corrente sanguínea, que regulam uma variedade de funções do organismo. O ultrassom na tireoide é indicado para:

  • Identificar quando um nódulo está crescendo na região
  • Analisar a aparência dos nódulos e identificar se são benignos ou se é necessário biópsia
  • Procurar nódulos adicionais em pacientes com um ou mais nódulos sentidos no exame físico
  • Verificar se um nódulo cresceu ao longo do tempo.

Outros tipos de ultrassom

Ultrassonografia convencional: trabalha com imagens formadas em modo B (bidimensional)

Elastografia: os pulsos de som fazem os tecidos vibrarem e a leitura desta vibração determina os variados graus de dureza tecidual, sendo indicada, por exemplo, para determinação do grau de fibrose de um tecido, pesquisa de cirrose hepática, evitando necessidade de procedimentos invasivos como a biopsia.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Ecocardiograma transesofágico: um transdutor, inserido no esôfago, obtém imagens do coração. Geralmente é feito com sedação.

Ultrassonografia transretal: o teste cria imagens da próstata, colocando um transdutor especial no reto

Ultrassom pélvico: A ultrassonografia pélvica serve para analisar órgãos no interior da pélvis (útero, ovários e trompas, além das artérias e veias da região) e também para acompanhar o desenvolvimento da gravidez.

Para que serve o ultrassom?

A ultrassonografia é feita por diversos motivos, sendo que uma das mais comuns é para gestantes fazerem o pré-natal e detectarem possíveis malformações no embrião.

Além disso, o ultrassom serve para verificar:

  • Processos tumorais
  • Processos inflamatórios/infecciosos (como apendicite)
  • Doenças de depósito (como aumento de gordura no fígado)
  • Formações de cálculos na vesícula biliar ou nos rins
  • Estreitamento de vasos, determinando, por exemplo, estenoses de artérias e o comprometimento do fluxo de sangue para órgãos vitais
  • Variações da anatomia habitual que possam comprometer o funcionamento normal de determinados aparelhos (como o aparelho excretor com obstrução da drenagem urinária ou o aparelho reprodutor com dificuldades que impedem a gravidez)
  • Roturas teciduais nos casos de lesões musculares ou estiramentos.
NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Como é feito o ultrassom?

Foto: New Africa/Shutterstock
Foto: New Africa/Shutterstock

O exame de ultrassom é feito por um técnico de radiologia ou pelo próprio médico, e em seguida é analisado por um especialista. Há posicionamentos diferentes para realizar o exame, dependendo da região do corpo que é preciso analisar.

"O médico manuseia uma sonda (transdutor) através da pele ou cavidades, utilizando-se de um meio condutor (gel à base de água), e as imagens são formadas simultaneamente na tela do aparelho. A partir das imagens dinâmicas captadas, o médico seleciona as que melhor representam os achados e obtém fotos que ficam como registro do estudo", explica Alberto Lobo, radiologista do Fleury.

O uso do gel ajuda a evitar bolsas de ar, que podem bloquear as ondas sonoras que criam as imagens.

O ultrassom geralmente é indolor, contudo é possível sentir um leve desconforto quando o ultrassonografista guia o transdutor sobre o corpo, especialmente se ele for inserido ou o paciente estiver com a bexiga cheia.

Um exame de ultrassonografia típico leva de 30 minutos a uma hora.

Quando o ultrassom é indicado?

O exame é indicado como auxiliar diagnóstico em casos de:

  • Queixas de dores (cólicas renais, por exemplo)
  • Alterações na palpação de alguma região (um nódulo palpado no pescoço ou na mama)
  • Aumento do volume abdominal em curto período de tempo
  • Alteração do exame de sangue (como alterações de marcadores tumorais, marcadores das funções do fígado ou dos rins)
  • Para grávidas fazerem o pré-natal.
Foto: Reprodução/Shutterstock
Ultrassom

Quando o ultrassom é contraindicado?

De acordo com o radiologista Alberto Lobo, não existe nenhuma contraindicação absoluta à realização do ultrassom.

De qualquer forma, caso tenha alguma condição de saúde, é importante avisar o médico antes da realização do exame.

Qual o preparo do paciente para fazer um exame de ultrassom?

O preparo para o exame pode variar dependendo do tipo de ultrassom.

A avaliação do abdómen, por exemplo, necessita de seis horas de jejum para que a vesícula biliar se apresente adequadamente distendida e que não exista interposição de resíduos alimentares entre a parede do abdome e os órgãos profundos pâncreas/retroperitôneo.

Além da necessidade da bexiga cheia para que os órgãos pélvicos possam ser avaliados (próstata e vesículas seminais/útero e ovários).

"Outro exame que exige preparo é o estudo endovaginal para pesquisa de endometriose profunda, sendo necessário o uso de medicações laxativas e lavagem do reto (fleet-enema). Os demais estudos não requerem nenhum preparo específico", afirma o radiologista.

Possíveis complicações/riscos do ultrassom

A ultrassonografia diagnóstica é um procedimento seguro que usa ondas sonoras de baixa potência. Não há riscos conhecidos.

O que significa o resultado do exame?

Foto: Thomas Andreas/Shutterstock
Foto: Thomas Andreas/Shutterstock

Quando o resultado do exame aparece negativo, é sinal de que a região analisada não possui anormalidades detectáveis.

A depender da suspeita clínica, outro método de imagem pode ser necessário para garantir a completa ausência de patologia.

Quando positivo, com descrição de alguma patologia, a conduta clínica/cirúrgica pode ser implementada, a menos que exista necessidade de um exame de imagem complementar com melhor abrangência anatômica para programação cirúrgica.

Quanto custa um exame de ultrassom?

Quando feito de forma particular (ou seja, não há cobertura por convênio médico), o preço varia muito de acordo com o local do corpo onde é realizado e com a quantidade de detalhes e informação que se deseja obter com o exame.

Assim, o valor de um ultrassom pode variar de R$ 60 a mais de R$ 200.

História do ultrassom

O uso do ultrassom na medicina começou durante a 2ª Guerra Mundial em vários centros médicos ao redor do mundo.

O trabalho do médico Karl Theodore Dussik, na Áustria, em 1942, sobre a investigação ultrassonográfica da transmissão cerebral, fornece o primeiro trabalho publicado sobre ultrassom médico.

Embora outros trabalhadores nos EUA, Japão e Europa também tenham sido citados como pioneiros, o trabalho do professor Ian Donald e seus colegas em Glasgow, em meados da década de 1950, contribuiu muito para facilitar o desenvolvimento de tecnologias e aplicações práticas do ultrassom.

Referências

Alberto Lobo, radiologista do Fleury Medicina e Saúde

Maria Cristina Chammas, radiologista e diretora médica do Alta Excelência Diagnóstica

Eigier Diagnóstico

Associação Paulista de Medicina

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.