LSD: o que é, efeitos e riscos para o organismo

Especialistas explicam se o LSD pode causar ou não dependência e também por que não possui uso medicinal

O que é o LSD?

O LSD-25 ou LSD (dietilamida do ácido lisérgico), conhecido popularmente como "doce" ou "ácido", é um alucinógeno sintético que causa mudanças de humor e alucinações. Ele é comumente consumido em casas noturnas e festas, sendo, portanto,usado com mais frequência pelo público adolescente e jovem adulto.

PUBLICIDADE

Essa droga ilícita, ou seja, de uso proibido, é produzida em laboratórios a partir da substância ergotina, obtida do fungo Claviceps purpurea (ergot), que se desenvolve no centeio e outros grãos.

Diferentemente de outras drogas, o LSD não possui cor, cheiro ou sabor. E o seu consumo pode ser muito variado - em sua maioria é feito por via oral ou sublingual, na forma de papel (papel filtro ou selos de cartas) ou gotas. Contudo, embora menos frequente, a droga pode ser injetada, inalada ou fumada.


Origem do LSD

O LSD foi descoberto acidentalmente em 1938 pelos cientistas suíços Arthur Stoll e Albert Hofmann. Com o objetivo de sintetizar um estimulante para dor de cabeça, os pesquisadores acabaram descobrindo essa droga.

No entanto, as propriedades do LSD só foram reconhecidas em 1943, quando Hofmann deliberadamente se auto-administrou uma dose extremamente pequena desse composto para explorar seus efeitos. De acordo com Maria Beatriz, psiquiatra assistente do Arthur Guerra no Núcleo de Álcool e Drogas do Hospital Sírio-Libanês, o cientista experimentou uma mistura de confusão, tontura, distorção perceptual e medo de enlouquecer após o consumo da droga.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Por ter efeitos muito parecidos com aspectos da psicose, o LSD passou a ser usado em experiências de psiquiatras nas décadas de 40, 50 e 60. Nesta mesma época, os Laboratórios Sandoz passaram a vender a substância para ser usada no tratamento de diversos tipos de distúrbios psiquiátricos. Os cientistas interessados recebiam a droga de forma gratuita, o que levou a muitas pessoas passarem a usar o LSD de forma recreativa.

Como o LSD age no organismo?

O LSD é uma substância psicotrópica muito potente e pequenas doses já são capazes de produzir grandes alterações no corpo. Segundo Elizabeth Zamerul Ally, Mestra em Psiquiatria e Psicologia e Especialista em Dependência Química pela UNIAD - UNIFESP, doses de 50 microgramas produzem efeitos com quatro a 12 horas de duração.

Os efeitos do LSD no funcionamento do cérebro são complexos e não totalmente compreendidos. Entretanto, o que se sabe é que a droga afeta de forma perturbadora o sistema nervoso, provocando alterações no funcionamento do cérebro e aumentando o tônus do tronco cerebral, o "quadro de distribuição" do sistema nervoso.

"Essa substância contém em sua estrutura o núcleo indol, que também está presente em um neurotransmissor do cérebro, a serotonina. Por esta característica, a droga interfere no mecanismo de ação da serotonina", indica Elizabeth Ally. A serotonina é um neurotransmissor que atua no cérebro regulando o humor, sono, apetite, ritmo cardíaco, temperatura e sensação de bem-estar num geral.

Efeitos físicos e psíquicos do LSD

Como no uso de qualquer outro tipo de droga, os efeitos do LSD dependem da sensibilidade da pessoa, do ambiente, da dose e da expectativa diante do uso. Contudo, seus efeitos psicossensoriais são mediados principalmente pela ativação dos receptores serotoninérgicos (principalmente do 5HT2A, encontrado em áreas ricas em serotonina no corpo).

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Os principais efeitos físicos do LSD são:

  • Dilatação das pupilas
  • Sudorese ou calafrios
  • Aumento da frequência cardíaca
  • Redução do apetite
  • Insônia
  • Aumento de temperatura
  • Tremores
  • Boca seca
  • Náuseas e vômitos
  • Hiperglicemia.

Os efeitos psíquicos são os mais habituais e preocupantes e incluem:

  • Delírios
  • Aumento do estado de alerta
  • Alucinações visuais e auditivas
  • Distorção do senso de tempo e espaço
  • Sinestesia: cores têm sons, sons têm textura
  • Mudanças extremas de humor (euforia, sensação de bem-estar ou ansiedade, crises de pânico)
  • Onirismo: sensação de que está sonhando acordado(a)
  • Despersonalização, a pessoa se sente estranha a si mesma
  • Piora da concentração e aceleração do pensamento.

Como o LSD pode trazer em alguns casos sensações "boas", algumas pessoas podem acabar se iludindo com o uso da droga. Porém, a psiquiatra Elizabeth Ally alerta que essas ilusões e alucinações também podem ser muito desagradáveis.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

"Algumas pessoas observam visões terríveis e sensações de deformidade externa do próprio corpo. Outras podem sofrer sintomas de pânico, as chamadas bad trips. Quem tem predisposição genética pode vir a ter um quadro psicótico esquizofreniforme, ou seja, os sintomas da esquizofrenia.", disse.

Além disso, existem casos em que algumas pessoas apresentaram o efeito de flashback: semanas ou meses após o uso da droga voltaram a apresentar sintomas mentais, mesmo sem ter consumido a droga novamente.

Quanto tempo demora para o efeitos aparecerem?

Segundo a psiquiatra Maria Beatriz, os efeitos físicos e psíquicos geralmente começam dentro de 30 a 60 minutos após o consumo da droga e podem durar até 12 horas.

Riscos do uso exacerbado do LSD a longo prazo

O uso frequente ou a longo prazo de LSD está associado ao desenvolvimento de tolerância, ou seja, passam a ser necessárias maiores quantidades da droga para obter o mesmo efeito. Entretanto, essa tolerância desaparece rapidamente após a interrupção do uso.

"Os usuários de LSD podem manifestar psicoses relativamente duradouras ou depressão grave, em casos raros", alerta Maria Beatriz.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Riscos do uso do LSD com outras drogas

Os riscos e efeitos causados pelo uso de LSD com outras drogas são imprevisíveis e podem ser bastante perigosos. Segundo a psiquiatra Maria Beatriz, drogas ilegais não são controladas e o usuário não sabe exatamente quais substâncias está usando e quais os riscos dela ou de associá-la à outras. Quando o LSD é associado ao álcool, pode levar ao aumento das náuseas e vômitos.

"Dependendo da droga com que o LSD seja misturado, os efeitos podem aumentar dramaticamente ou podem ocorrer reações diferentes e inesperadas. Os riscos podem envolver as bad trips, o desenvolvimento de surtos psicóticos e outros transtornos psiquiátricos e o comportamento suicida", afirma Elizabeth Ally.

O LSD possui benefícios medicinais?

Nas décadas de 1960 e 1970, o LSD ganhou grande popularidade nos Estados Unidos e na Inglaterra, principalmente entre universitários e artistas. Logo a comunidade médica mostrou interesse em realizar pesquisas científicas sobre essa droga e outros alucinógenos.

Em 1968, o LSD foi proibido nos EUA e, em seguida, por outros países. A droga também foi impedida pela ONU para fins medicinais em 1971, o que reduziu muito a possibilidade de se pesquisar sobre a substância.

No Brasil, o Ministério da Saúde não reconhece o uso médico, portanto, estão proibidas a sua produção, o uso e o comércio, considerados crime. Caso a pessoa se enquadre em alguma(s) dessa(s) situações, estará sujeita às penas da lei.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Na última década, houve novamente um crescente interesse de pesquisadores sobre o potencial benéfico da substância. Embora ainda não exista uma indicação aprovada para terapia assistida por LSD, a psiquiatra Maria Beatriz afirma que há estudos que apresentam resultados positivos no uso do LSD combinado com aconselhamento para os seguintes quadros: transtornos por uso de substâncias, especialmente no tratamento da dependência crônica de álcool, transtorno de estresse pós-traumático, ansiedade e depressão em pacientes que sofrem de doenças potencialmente fatais.

No entanto, essas evidências ainda são de baixo impacto, sendo necessários mais estudos de maior impacto para melhor compreensão e segurança para uso com fins medicinais.

LSD causa dependência?

Segundo a psiquiatra Laisa Pessoa Botton, as drogas que causam dependência costumam ativar um sistema no cérebro que é chamado de sistema de recompensa, que faz com que o usuário tenha a sensação de bem-estar ao usá-la. O LSD, no entanto, não estimula a ativação desse sistema e por isso não causa dependência, pois a pessoa sente apenas alucinação, não uma recompensa e prazer.

Contudo, embora o LSD, na maioria dos casos, não cause vício e dependência, o uso da droga pode trazer muitas consequências graves.

Como parar de usar o LSD?

De acordo com Elizabeth Ally, o LSD costuma ser uma "droga de passagem", pois há várias outras substâncias no mercado cujos efeitos são aparentemente mais atrativos para os usuários, especialmente as drogas depressoras (maconha, álcool e outras da mesma classe) e estimulantes (ecstasy, cocaína, crack e outras semelhantes).

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

O fato de o LSD produzir rápida tolerância e apresentar efeitos de longa duração impedem que essa substância induza indivíduos ao uso repetitivo ou à dependência. Na prática, ainda não são conhecidos quadros de dependência dessa droga, apesar de haver estudos científicos que defendam o potencial aditivo deles.

"A tolerância acontece quando o organismo acaba por se acostumar ou ficar tolerante à droga, ou seja, a droga faz menos efeito a cada uso. Assim, para se obter o que se deseja, é preciso aumentar cada vez mais as doses", diz.

Como o LSD raramente pode causar um vício, a psiquiatra Laisa Botton revela que o que é preciso tratar são as consequências causadas pela droga ou os motivos que levam a pessoa ao consumo. A maior parte dos usuários crônicos de LSD usam a droga para tentar fugir de algum problema do dia a dia.

Além disso, a psiquiatra Maria Beatriz revela que o usuário de LSD normalmente consegue interromper o uso sozinho, sem necessidade de um tratamento específico.

No entanto, é preciso ficar atento pois se essa pessoa mantiver o uso (apesar do desejo de interromper) e houver prejuízo nos relacionamentos, trabalho ou qualquer outra esfera da vida, deve procurar ajuda de um especialista, psiquiatra ou psicólogo, para avaliar o caso e ser orientado da melhor forma.

NÃO PARE AGORA... TEM MAIS DEPOIS DESSA PUBLICIDADE ;)

Caso você conheça alguém que possui vício em LSD, a melhor forma de ajudar a pessoa é ser empático com o sofrimento do usuário, sem preconceitos, e ajudá-la a perceber os prejuízos e a procurar auxílio profissional adequado.

É possível ter overdose pelo uso de LSD?

Não há relatos de overdose de LSD, mas Elizabeth Ally garante que se a pessoa usar uma dose 200 a 300 vezes maior do que a efetiva, poderá, sim, ter uma overdose. Talvez por isso sejam raros os casos de letalidade na literatura e estejam, em geral, relacionados a acidentes ou suicídios durante as intoxicações.

Entretanto, em casos raros é possível que a pessoa sofra com acidose metabólica e, ao entrar em coma, também tenha uma insuficiência respiratória. Além disso, Laisa Pessoa Botton afirma que há chances de um usuário de LSD ter Síndrome Neuroléptica Maligna, que causa sintomas como febre, alterações na frequência cardíaca e respiratória, rigidez muscular e alterações no hemograma.

Referências

(1) Elizabeth Zamerul Ally, mestra em Psiquiatria e Psicologia e Especialista em Dependência Química pela UNIAD - UNIFESP.

(2) Maria Beatriz, psiquiatra assistente do Dr Arthur Guerra, trabalho com ele na Clínica dele e no Núcleo de Álcool e Drogas do Hospital Sírio-Libanês.
(3) Laisa Pessoa Botton, psiquiatra da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Não deixe de consultar o seu médico. Encontre aqui médicos indicados por outras pessoas.